domingo, 25 de Março de 2012

Experiência com Timol para controlar a varroa.

   Este ano de 2012 ficará marcado como um ano de grande seca. Como 2012 só me lembro de 2005, que em boa verdade se pode dizer que ainda foi pior; deixou de chover em outubro de 2004 e só voltou a chover em 9 de abril de 2005. É costume dizer-se: se chover nos próximos dias, pode ser que isto anime. Este ano, já lá vai: mesmo que a chuva venha nos próximos dias, será irremediável. Já não vem a tempo para o rosmaninho, para as estevas, etc... são plantas que gostam de ter a terra bem repassada nos meses de inverno, para ganharem pujança para os dias mais quentes de abril. Este ano os botões do rosmaninho são muito pequenos e estão secos, com muito pouco ou nenhum nectar. A flor da esteva nem um dia aguenta, tal é a secura.
   As abelhas têm aumentado mas sem o vigor de outros anos mais húmidos. As minhas por exemplo, ainda não demonstram qualquer sinal de querer enxamear. Por certo pressentem que os novos enxames têm poucas hipóteses de sobrevivência em virtude do pouco nectar existente nos campos.
   Não havendo prespetivas de aumentar o efetivo por intermédio de enxameação natural, temos que tratar dos enxames que possuimos, pois para a varroa parece que todas as condições atmosféricas são boas para se reproduzirem e dizimarem enxames. Foi o que fiz hoje; fui tratar algumas colmeias, nas quais tinha detetado algumas varroas e abelhas com as asas atrofiadas. Depois de tanto ter ouvido falar no timol, decidi experimentar. Como experiência decidi aplicar o timol em 8 colmeias.
Utilizei o seguinte material:
- ~96 g de cristais de timol (8 colmeias x 12 g timol /colmeia = 96 g timol);
- 160 ml de óleo vegetal (8 colmeias x 20ml óleo = 160 ml);
- 8 placas de esponja para arranjo floral;
- seringa;
- papel vegetal, folha de aluminio e saco plástico.

Pesar os cristais de timol.
Pesagem de ~96g de cristais de timol











Medir os 160ml de óleo vegetal e colocar num tacho. Aquecer o óleo até aos 60- 70 ºC.

Aquecer o óleo vegetal até aos 60 - 70ºC















Deixar o óleo arrefecer um pouco e adicionar os cristais de timol. Mexer com uma colher para que os cristais de timol se dissolvam no óleo.
Deixar o preparado arrefecer mais um pouco e com a seringa retirar 20ml do preparado. Aplicar os 20ml numa placa de esponja de arranjo floral.
8 placas de esponja impregnadas com 20ml de óleo e timol
Empilhar as placas de esponja, separadas por pequenas folhas de papel vegetal. Embrulhar tudo em folha de aluminio. Colocar num saco de plástico, fechar e colocar no frigorifíco (zona dos ovos).
No apiário colocar uma esponja em cada colmeia a tratar.
Colmeia com esponja impregnada com timol.
Não coloquei a esponja diretamente sobre a criação ao centro da colmeia, por receio de que a temperatura ambiente, já na casa dos 23ºC - 25ºC, faça com que o timol volatilize muito rapidamente e mate a maior parte da criação.  Depois tapar a colmeia e esperar que o timol mate as varroas existentes na colmeia.

Foi também dia de levar núcleos do apiário de Setúbal para o apiário de Vendas Novas. Ao todo levei 6 núcleos. É na esperança de que abril nos traga alguns dias de chuva, alimente alguma soagem e com ela consiga tirar alguns quilos de mel.
Núcleo em posição após o transporte

Depois de retirada a esponja todas
as abelhas querem ver a paisagem












Este ano, antecipando que vão ser muito poucos os enxames naturais, decidi criar rainhas e fazer alguns enxames. Para tal, hoje fiz um núcleo de 7 quadros, orfão e com dois quadros de criação prestes a nascer. Para não enfraquecer as colmeias, retirei um quadro com abelhas de outras tantas colmeias e coloquei num núcleo (tive o cuidado de inspecionar os quadros para verificar que nenhuma rainha estava presente). Tapei o núcleo e transportei para o apiário de Setúbal.

Colmeia forte de onde foi retirardo um quadro para fornecer
abelhas ao núcleo para criação de rainhas.
Núcleo de 7 quadros, orfão e cheio de abelhas.
Pronto para ser transportado.
Núcleo para criação de rainhas.
 O meu processo para criação de rainhas vou tentar explicá-lo nos próximos posts.
O dia deu ainda para tirar algumas fotos de abelhas na seu trabalho diário:
Abelha na flor de nabo
Abelha na flor de couve











Pessegueiro em flor
Abelha na flor de ameixeira











Por hoje é tudo.
Nos próximos posts com tentar explicar o meu processo de criação de rainhas.
Obrigado por consultar o meu blogue.

4 comentários:

  1. Gosto imenso do seu blogue. Sigo com iteresse a sua apicultura, a qual é bem distinta da minha zona.
    Em todo o caso, espero que a chuva apareca em Abril, e assim lhe minimize o ano mau que ocorre por aí.

    Cumprimentos apicolas,
    Abelhasdoagreste

    ResponderEliminar
  2. As minhas saudações apícolas!
    Concordo consigo JSantos, o ano está perdido.
    Quanto ao timol , que uso há vários anos, permita-me por favor duas ou três sugestões, ensaiadas na Universidade de Évora e que adoptei:
    1) são suficientes 8 g de timol por colmeia. É a dose mínima eficaz. Não se aumenta proporcionalmente a eficácia por aumento de dose.
    2) óleo alimentar 12,5 ml por colmeia.
    3) da mistura obtida colocar 20 ml por placa (usar placas de flores naturais)
    4) em vez de colocar a placa inteira, dividi-la em duas ou quatro porções iguais e colocá-las à periferia da criação, para obter uma distribuição homogénea.
    A eficácia que consegui foi boa, mas tem que repetir a aplicação ao fim de 12 dias e eventualmente fazer uma terceira aplicação. Uma única é absolutamente insuficiente.
    Um grande abraço,
    Abelhasah.

    ResponderEliminar
  3. Abelhasah,
    obrigado pelas dicas.

    JSantos

    ResponderEliminar
  4. Boas a todos! o perfeito era colocar aqui os resultados da aplicaçao do timol! como eu ja fiz com a utilização do "Hive clean", isto é: fazer a contagem das varroas mortas após 24h da aplicação. isto após as 2 ou 3 aplicações. assim tínhamos uma ideia dos resultados positivos ou não!
    http://apicultura.forumeiros.com/t1721-tudo-sobre-beevital-hiveclean-e-como-afecta-a-varroa?highlight=beevital
    Muito obrigado

    Nuno Gonçalves

    ResponderEliminar